sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Retrospectiva 2017

                                    Dois mil de dezessete que loucura foi você, heim? O primeiro ano de uma nova Sara, pois posso dizer que mudanças foi a palavra que definiu este ano, e como toda mudança foi sofrida, importante e linda.
                                    O ano começou em Campina Grande, terra natal, que não é o melhor lugar para um réveillon, mas estava aconchegada com minha família, protegida e tentando entender meu primeiro final de ano longe dele depois de 8 anos juntos, tentando até entender o que comemorar, pois 2016 foi bem sofrido. Estava entre os meus, aconchegada, amada e como sempre faço aceitando aos poucos as mudanças. Voltando pra João Pessoa, vazio, e no meio dele estabelecer metas, então resolvi fazer plástica, mudar meu corpo que já não reconhecia mais, não foi fácil, abri mão do final do verão e férias, carnaval e mesmo sem saber, estava me reservando e me recolhendo para o momento de muito reflexão e mudança interior, com a ajuda de Gray's Anatomy, foram 10 temporadas em um mês.
                                   Carnaval foi triste e solitário e ainda por cima enfrentei encontrar ele com outra, hoje olhando pra trás, vejo que era mais um sentimento de posse do que de ciúmes mesmo, hoje questiono os sentimentos que o dediquei tantos anos, mas reconheço a importância disto tudo na minha experiência de vida.
                                         Van e Ana começaram a entrar na minha vida com calma, devagar, até então, mas já fazendo uma grande diferença, reatei com ele, esperava que isto trouxesse a felicidade que um dia vivemos juntos, mas não rolou, foi um retorno frio, complicado e cheio de silêncios e medos, lembro de quando viajamos pra Areia e Bananeiras relembramos os bons e velhos tempos mas já sentíamos a distância e foi quando ele decidiu ir embora, senti um certo alívio e por nenhum momento tive vontade de pedir pra ele ficar, apesar das culpas e medos que tomavam conta, resolvi só aceitar e esperar vê o que o tempo reservava.
                                        Agora eu já não estava mais tão só, tinha Ana e Van na minha vida e resolvi ir visitar Raquel em Minas, pegar as malas e me jogar no mundo, não quis ir com Van para Espanha, não daria conta e lá fui rumo as cidades históricas de Minas, e tudo começou a mudar, novos horizontes foram se desenhando e fui me entregando as poucos, frio, arte, novos amigos, beleza e novas expectativas, por fim beijei outro homem e me permiti olhar o mundo que estava começando, sem imaginar Fabiano nele, de Minas pra Goiânia, reencontrá-lo e vê o que ainda sobrava da relação, carinho, afeto, respeito, amizade e amor fraterno,  mas como ele mesmo falou, faltava alguma coisa, fazer o quê? 
                                         Voltei pra casa  renovada e a nova vida começou, me joguei com as meninas e novos lugares, novas pessoas, reiniciei as vendas de pratas e cada vez mais ele ficava a margem, ele não tentou entrar na minha vida e me deixou a vontade, tão á vontade que enchi o saco, tentei terminar o fatídico curso de inglês, mas mandei as favas, agora a liberdade até me assustava, meu corpo transformado, minhas expectativas renovadas e então surgiu um crush, ressurgido dos velhos tempos, e tudo foi intenso com gosto de fruta mordida, com tesão, arte e muita música, e como sempre cheio de problemas, com a vida de ponta cabeça, cheio de coisas mal resolvidas, mas apesar dos problemas, os seus olhos brilhavam ao me vê, e eu me derretia. Como o momento não era nada propício ele ficou em 2017, um grande detalhe do primeiro ano do resto da minha vida, 2017 seu loko....
                                          E como não poderia deixar de agradecer este ano em grande estilo? Pois foi, mamys fez o modelito dos sonhos, fiz make e penteado, visitei amigos especiais e que espero estarem todo o ano presentes na minha vida e corri pro abraço, começando o ano cheio de amigos e dança e música e muita expectativa....

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Processos complicados...

Outro dia recebi a visita de uma tia, muito querida, e que acompanha os fatos e eventos da minha vida, ela demostrou está muito surpresa o quanto eu superei minha separação tão bem, ela falou como se eu não tivesse sofrido nada ao longo do processo, e confesso, que isto me deixou muito chateada, afinal ela sabe tudo que passei, então respondi a ela que depois de ter lido uns oito livros sobre psicologia que tratam dos problemas que vivenciei, depois de assistir 10 temporadas de Grey´s Anatomy em um mês, seriado que tem como tema principal a morte e a efemeridade das relações, depois de ter mudado totalmente meus hábitos diários, e fazer academia quatro vezes por semana, duas horas por dia e tentar sentir cada músculo do meu corpo, tentar sentir a força mental pra levantar cada peso, de conseguir, apesar de tudo, chegar na lição 30 do meu curso de inglês, que por vezes pensei em desistir e quase me leva a loucura, depois de sentar num divã com uma psicologa, de frequentar um centro espírita, sem falar das dezenas de vídeos sobre meditação, fim de relacionamentos, budismo e ler bastante sobre o espiritismo e reforma moral, frequentar lugares e conhecer pessoas que eu, pretensiosamente, considerava nada haver comigo, e, que hoje são amigos e me divertem, realmente, agora, estou bem, dá pra sorrir lindamente nas redes sociais, apesar de saber que ainda é só uma etapa dentro de todo o processo. 
Tentei explicar pra ela que não sou propensa aos dramas, não confio na alopatia e realmente corro da depressão como o diabo foge da cruz, apesar de saber que estes são os caminhos mais seguidos e que funcionam pra muita gente, mais eu sempre acreditei que existiam caminhos alternativos. O que me deixa puta é saber que pra muita gente pareço está fugindo do problema ou mesmo sendo superficial, pra mim, pelo contrário, vou fundo nos meus problemas, busco soluções e me atolo nos processos introspectivos que vivo. Acho que existe uma boa literatura pra tudo e que não basta ficar na teoria, tem que entrar em campo e ir pra guerra.....

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Sexo bom X Paixão

Qual a diferença entre sexo bom e paixão? Help! tá difícil fazer a diferença, afinal o sexo foi tão bom, tão bom que quero de novo, paixão é tão, tão que só pensamos em encontrar de novo... Sexo bom fica martelando na cabeça, faz suspirar, paixão também.... A questão é que estou bem afim de sexo bom, mais de paixão, nem pensar. Tudo bem voltei a suspirar, desejar tá valendo, quanto a se apaixonar é segurar a onda e deixar de canto, afinal a experiência tem que valer pra alguma coisa....

Declaração de Amor à Minas Gerais....Parte I

Dificilmente não sou tomada de paixão pelas cidades que escolho viajar, são tantas para ir e, no meio de tantas possibilidades, decidimos ir para.... Minas foi se chegando até a mim, primeiro pelos sabores, quem nunca sonhou comer um pão de queijo nas Minas Gerais, segundo pelas belas paisagens de Sebastião Salgado retratas em Da Minha Terra à Terra, e em terceiro e onde definitivamente Minas se tornou destino certo, O amor de Raquel, sim sua história de amor com e por Weber, o encontro de duas almas lindas que se cruzaram pelos bits da internet, e, desejaram junto comigo, que eu fosse conhecer por fim, as Minas Gerais, por muitas vezes planejei esta viagem até que ela se concretizou em julho, viajar sozinha, no frio, numa fase bem introspectiva e cheia de expectativas....Chegando por BH tive minha primeira confirmação, a comida é deliciosa, se já era apaixonada pelos sabores que conheci em Goiânia e que se falava bem mineiros, foi só deleite, de lá primeira aventura, atravessar cidades em ônibus leito, o que na minha infância era tão corriqueiro, agora se tornou uma grande aventura, quanto tempo não me debruçava numa janela e contemplava a passagem das paisagens.... Chegando a São João Del Rei fui recebida com sorrisos e abraços da amiga, que era só amor e alegria....E daí então muitos bares, igrejas, fotos, santos, arcanjos, dias de sagrado e de profano, das artes e artimanhas, recebida numa casa de família, bem família como a minha, tanta gente entrando e saindo e sempre um cafézinho pro bate-papo, frio delicioso e necessariamente solitário...São João Del Rei foi em clima de casa de avó, lugar aconchegante que parecia já conhecer a muito tempo,  de lá passeio pra Tiradentes, cenário de filme, beleza estonteante, toda pronta pra o deleite gastronômico, e as compras, tudo lindo e espetacular, natureza gritando nas suas montanhas e florestas, impossível não pensar em voltar...

Reencontros....

Por onde andam os velhos amigos, casaram? separaram? morreram? estão bem? estão mal? Tantas pessoas passam por nossas vidas e, deixam cheiros, músicas, risadas, e tantas lembranças e o tempo leva estas pessoas mundo afora e o tempo passa, todos na sua luta diária, nas suas alegrias e tristezas, levando a vida. E um dia por acaso reencontramos os velhos amigos, abrimos aquele delicioso sorriso e tascamos um longo abraço, a conversa rola e passamos horas falando dos velhos tempos,  dos novos tempos e das expectativas para o futuro, relembramos fulanos e sicranos, de alguns temos notícias de outros nem ideia, voltamos pra nossa vida e marcamos mais um café, na tentativa de não perder mais aquela pessoa de vista. 

Chega de falar de amor.....

Tenho tantas coisas pra falar, tantas coisas pra realinhar que não cabe dentro desta postagem.... Go on..... Sim, isto mesmo a vida continua e está mais linda, leve e doida pra beijar, a analogia que melhor descreve este momento é um beija-flor, indo de flor em flor, sentir os odores, os sabores da vida e vamos lá.... Muita coisa aconteceu, pois me permiti seguir, não me permiti ficar em casa ruminando as perdas, e saí na tentativa de reparar os danos, cuidei de mim, dos meus cabelos, do meu corpo, do meu astral, peguei na mão das amigas, que lindamente me conduziram por novos caminhos, me lancei num mar de tudo que estava a minha disposição, pronta pra o melhor do hoje.... Não pensem que foi, que é fácil, até para chegar aqui e escrever "descrever minha alma" me pareceu uma eternidade, pra chegar aqui transpus muitos muros e abismos, pois nada saiu como planejado e só me coube ir aceitando, tentando entender, relendo e agora é como ressurgir das cinzas e bem longe ainda de me transformar em uma fênix....
Como me desafiei e me desafio cada dia, uma nova língua pra falar, um corpo mais saudável e bonito pra conquistar, um casa mais limpa e agradável, mais prazer pra trabalhar e cumprir metas, mais amigos pra cultivar, mais tempo e amor pra minha linda família.....Falar em tempo, como não falar em amor? Tempo é amor, o tempo que investimos em nos, em nossas famílias, em nossos amigos é tão precioso, tão amoroso, e é o que de mais precioso temos, avaliar o que fazer de cada hora, de cada dia, seguir com amorosidade, até no ato de dormir, preparar uma linda e confortável cama, usar bons tecidos pra tocar a pele, orar pelas preces e descansar por horas sagradas e que te darão a força necessária pra recomeçar.

Home sweet home...

                           Lar doce lar, meu refúgio, amo chegar em casa e me abraçar comigo mesma, minha casa já não parece mais com a nossa casa, esta bem mais leve e não me condena mais. São poucos os vestígios da antiga presença, ontem me deparei com um casaco guardado juntos com minhas roupas de frio, fui pega no susto, mais não vou ligar para devolver, não vou quebrar o silêncio do meu ego ferido, do seu ego ferido, sigamos feridos.....