sexta-feira, 25 de maio de 2012

"Eu gosto da Rose Marie Muraro, da Elke Maravilha, das mulheres anarquistas e de espírito rebelde. E gosto das mulheres comuns que entendem ali, na veia, que a sexualidade vai além da discussão sobre a vitimização e da violência ou do número de orgasmos que atingimos, que a sexualidade e o prazer do corpo têm unicamente a ver com um jeito de andar pelo mundo e que este jeito tem de ser leve, original, lúdico e pessoal, sem receitas e regras. E que passamos da superexposição para a inibição num movimento pendular viciado que nos impede a espontaneidade das nossas escolhas mais simples, sofro com isto, eu que gosto de cada coisa mais esquisita, mais bizarra, mais sem graça, por vezes, pelo simples prazer de gostar."


Texto espetacular que roubei da minha amiga RS, pois demonstra a amplidão do universo feminino e quanto mais amplas são as formas de opressão do feminino, pena que em anos de distorção dos ideais feministas, surgiram várias outras formas de opressão, parabéns amiga pela coragem e pela luta.