sexta-feira, 29 de junho de 2012

A vida alheia....

Como é fácil doar receitas de felicidade aos outros, pois vendo de fora tudo é tão claro e seguro, não assumimos os riscos.
É difícil ver as pessoas que gostamos batendo cabeça, estão ali tão próximas, sabem o que devem fazer, mas alimentam grandes esperanças de mudanças, esperam que o amanhecer lhe traga um milagre e assim vão se atolando cada vez mais, sofri muito por outros até entender que cada um tem seu processo, que as pessoas só fazem o que querem, mesmo que não tenham consciência do risco que estão assumindo, mais ao  final de tudo, tudo se encaminham pra onde tem de ir, juntos ou separados, felizes ou não, satisfeitos ou não, a vida sempre dá seu jeito.
Sempre corri de problemas, meu nome é solução, corro atrás, meto as caras, fujo se não sei o que fazer e assim tenho levado a vida, simples assim. Quem me conhece sabe que não costumo polemizar minha vida, não peço muito opiniões, vivo o que acredito que tenho que viver e deixo pra trás quando não sei mais lidar com o assunto, assim deixei muita gente para trás, algumas nem lembro mais o nome, outras lembro em ocasiões nostálgicas e boêmicas, e sinto que ainda poderia estar eternizando umas relações do passado que me causaram sofrimento, que o mérito é todo meu se deixei para trás e hoje me sinto mais realizada e feliz.
Na contramão disto, sempre estive perto de pessoas complicadas, que eternizam relaçãos falidas e se alimentam de um sofrimento intenso, e não diferente de mim, estão aí contando histórias, fazendo história, hoje não acredito mais nas minhas receitas de felicidade, sei que funciono bem para ouvinte, que minhas amigas precisam do meu ouvido e não da minha opinião, apesar de ainda dá-las, essa é minha natureza, e estou aprendendo a lidar melhor com a culpa de não saber calar. 
O tempo esta passando rápido demais, atropelada sigo, sem tempo pra tanta coisa, priorizando poucas e esperando calmaria pra tantas. Confesso baixinho que amo a vida alheia, adoro o dilema dos outros e me alimento dos casos e causos, sou assim. Sempre tenho a receita certa, mas a sensação que a hora é sempre errada.