quinta-feira, 29 de julho de 2010

Tenho me descoberto um pouco a cada postagem neste blog, as vezes sinto como se não fosse eu, e na maioria das vezes sinto como se não conseguisse ser eu, não consigo expressar realmente o que sinto e como desejo sentir, tenho pensado bastante e questionado o que me faz especial, o que me faz ser quem sou e quais os méritos de uma vida bem vivida, dentro de tantas e algumas intransponíveis limitações, tenho pensado até onde posso ir, até onde esta o limite entre eu e tudo que posso ser e desejar e sem dúvidas escrever é o meio, a droga que nos transporta, que nos despe.


                         Muita gente acredita que rir de tudo é o melhor caminho, questionável, realmente questionável, mas vale a discussão, ri do governo, da família, da religião, da educação, tudo virou piada, rir do machismo que predomina no Brasil não passa de mais uma piada, não adianta o que uma mulher faça, pense, na verdade qualquer atitude que saia dos padrões convencionais que nos estabeleceram você vai ouvir na tua cara um redondo puta, qualquer semi-analfabeto que não aceite  a tua atitude, a tua independência, a tua segurança, vai encher a boca e te agredir, te chamando de puta, deveríamos levar mais a sério o machismo no Brasil, esta permissividade tem acabado com a vida de muitas mulheres, as agressões e até a morte de muitas mulheres devem-se ao fato de uma educação familiar que diferencia homens e mulheres e tratam as mulheres como objetos, até a literatura permite tais aberrações,  a exemplo do email que recebi e que me inquietou:



Cão..............melhor amigo do homem.


Cadela..................puta.


Vagabundo ...........homem que não faz nada.


Vagabunda.............puta. 


Touro....................homem forte.


Vaca....................puta.


Pistoleiro.................homem que mata pessoas.


Pistoleira..................puta.


Aventureiro...........homem que se arrisca, viajante, desbravador.
Aventureira.............puta.






Garoto de rua..........menino pobre, que vive na rua, 


um coitado.Garota de rua...........puta.


Homem da vida........pessoa letrada pela sabedoria adquirida ao longo da vida.


Mulher da vida........puta.


O Galinha...............o 'bonzão', que traça todas.


A Galinha ................puta.





Tiozinho................irmão mais novo do pai.


Tiazinha...................puta. 


Feiticeiro...........conhecedor de alquimias.


Feiticeira..............puta.


Roberto Jefferson, Zé Dirceu, Maluf, ACM, Jader 


Barbalho, Eurico Miranda,


Renan Calheiros, Delúbio.........políticos. 


A mãe deles...............putas.





E pra finalizar...
Puto.....................nervoso, irritado, bravo.


Puta....................puta.

É algumas mulheres agora estão putas, algumas rindo bastante, mas todas, com certeza, cautelosas, fugindo, desesperadamente, de seres taxadas de putas, escondendo algum fato no passado, no presente ou até com medo de seus pensamentos no futuro, com medo dos seus desejos alheios, pois sabem que nossa sociedade não perdoa, que mulher não pode errar.


quinta-feira, 22 de julho de 2010

"O meu amor" - Chico Buarque de Holanda



Por minutos senti a tua presença, senti que podia subir neste palco e gritar, gemer, derreter de paixão....

Quanto é dois mais dois....

Estou me sentindo uma blogueira muito da sem futuro e incompetente, ganhei um selinho e não sei nem o que é isto, e ainda não consegui vê-lo. Enquanto mal consigo acompanhar meus blogs preferidos, da amiga borboletante e da  da amiga S. elas já escreveram horrores e me sinto por demais desatualizada. Não consegui colocar o localizador de visitas, não consigo inserir os links, totalmente internalfabeta, help! Quel. Preciso marcar umas aulas com a super amiga blogueira.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sonhei que você me deixava, que não atendia meu celular, que não queria mais saber de mim, senti como se caísse de um altar, senti perdendo as forças, não ouvia mais tuas orações,e um ano se passou em um segundo na minha cabeça, senti como se perdesse tudo que agora parece ser minha vida. 
Acordei com vontade de te ligar e brigar com você, esculhambar com você pra nunca mais sonhar assim, mas liguei só pra ouvir você dizer: "Bom dia! meu bem, dormiu bem".

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Eu acho que amo...

É sim! Eu acho que amo, nunca amei com total resignação, nem com certeza absoluta, sempre dúvido se é amor....Acho que desde muito cedo ao ver Elis chorar de amor que me pergunto: Como será sentir isto? Amar atrás da porta, olhos nos olhos e tantos outros amores que acreditei serem melhores que os meus, mas que se dispersaram nas primeiras chuvas. Amo sim, mas prefiro que usem o banheiro pra certas necessidades, entendem? Acredito sim, de coração, que não precisamos conhecer tudo, invadir tudo, esquecer os cheiros, os espaços. Será que amo menos quando quero ficar só? Quando não preciso adivinhar teus pensamentos, quando teus cheiros me incomodam?
Amo tudo que faz parte, mas isto não exclue meus menos amores, meus menos humores, meu menos desejos. As vezes não te quero por perto, mas não suportaria você longe. Amor pra mim é isto uma montanha-russa de contradições, de imperfeições.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Careful!

Cuida dos cuidados que são teus, que recebes com tanto zelo, se és incapaz de retribui-los pelo menos zela por eles, eles são teus não por merecimento, não por reconhecimento, mas são teus por um estranho e inexplicável amor ou talvez por ter me acostumado a não ser cuidada de volta, você exige, você reclama, você quer, mas pouco faz, pouco merece, basta um drinque a mais e você nos abandona, esquece o que falou, esquece que é preciso, e continuamos ali, esperando, acreditando.
Como bom carente que és, és incapaz de fazer com os outros o que tanto espera deles, estas sempre pronto com palavras que se perdem minutos após tuas atitudes.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Edificando os sentimentos...

Como é fácil detonarem nossa auto-estima, uma piadinha aqui, uma ironia ali, um sarcasmo vez ou outra e bummmmmm lá vai meses e meses de auto-confiança descendo a ladeira, lógico, que quem é bem resolvido consigo mesmo tira de letra, mas mesmo com o nariz lá em cima, pede arrego ao travesseiro e se questiona.
Fazer prevalecer o bom senso e transformar a energia do mal em auto-conhecimento é o grande desafio de uns  meros mortais, se pra tudo há uma razão de ser e se sempre podemos tirar boas lições, então devemos nos resignar, não falo em nos conformar pois esta palavra tem um peso muito forte, quase como derrota, mas  resignar não, é quase como ganhar tempo, reavaliar as questões e tirar o melhor do pior.
Estou tendo dificuldades em conversar com grandes amigas, procuro maneiras mais amáveis e amigáveis de me expressar, mas sou tão delicada quanto um elefante dentro de uma geladeira, a verdade é que sinto uma necessidade quase patológica de  falar o que sinto, juro que a intenção não é magoar, não é, a intenção é até de preservar, abrir um pouco os olhos, tentar fazer a decepção ser menor ou algo assim, as vezes, é verdade, fico puta e sou extremamente sarcástica com a falta de realidade e com as desculpas que as pessoas usam pra se detonarem, (S. não é só com você), estou participando ativamente do processo de maturidade que você esta passando, estou tão orgulhosa e queria muito ajudar mais financeiramente falando, mas este ponto é muito delicado, confesso que ontem me senti um pouco triste, te senti cansada, no momento em que mais precisa de força. Foca no teu processo criativo, você tem arte, tem talento e muito a construir, vou tentar te ajudar, não sei da colo, mas vou tentar..
Tudo vai dar certo....

domingo, 4 de julho de 2010

Acabou.

Foi tão fácil pra ele virar as costas e me deixar sozinha.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Ter filhos ou não ter filhos? Eis a questão....

No meio de milhões de livros de auto ajuda vocês conhecem algum que trate sobre o dilema de uma balzaquiana em ter filhos ou não ter filhos? Tenho até tido dor de barriga e saído pela direita quando algum parente ou amigo me vem com o maior dos questionamentos "e aí, quanto você vai ter um filhinho?".
Acreditem! não tem nada haver com egoísmo ou medo de enfrentar o dia-a-dia de uma mulher que trabalha fora e tem filhos, sei o quanto é difícil, mas também sei dos prazeres e realizações da maternidade,  o medo real é com este mundo em que vivemos, da crise de valores, da educação, da saúde e por aí vai, além do que,  vai que o mundo acaba em 2012, talvez não tenha tempo pra esperar, afinal, a natureza é bem cruel com nós mulheres, mas agora minha cabeça ferve e não tenho a resposta para tamanha decisão.